quarta-feira, 1 de junho de 2011

A Princesa que Acreditava em Contos de Fadas - V

Fazer ou Não Fazer??



O médico dos corações despedaçados disse:

- Deves parar de fazer tudo e começar a não fazer nada. Não faças nada e não digas nada. Não te defendas, não ponhas tudo em ordem, não peças, não te desculpes, não ameaçes, não te preocupes, não fiques acordada toda a noite a pensar e a planear e a reflectir. Percebes a ideia? Se não fizeres nada, estarás, na verdade a fazer algo!

- Isso não é muito bonito de dizer! Como é que estou no caminho dele? Estou só a tentar ajudá-lo.

- Desculpa-me princesa. Não tencionava ofender-te. Mas o príncipe está demasiado ocupado a ver o que está errado em ti para ver o que está errado nele. Se não fizeres nada, é mais provável que ele compreenda que ele está a fazer algo. Mas a vossa felicidade não depende do que ele faz ou não. Podes, porém, fazer algo por ti. De facto, podes fazer muito por ti. Enquanto continuares a fazer o que tens feito, continuarás a ter o que tens tido - nada de fazeres o que não resulta.

- Mas eu sei o que é bom para o príncipe, sei o que está certo para ele, melhor do que ninguém!

- Deves escolher ser feliz, em vez de estar certa.

- Escolher ser feliz?

- Sim, a felicidade é uma escolha.

Não fazer nada em relação ao Príncipe provou ser muito mais difícil do que tinha sido fazer algo. Algum tempo depois, já não passava todos os seus momentos tentando ajudar o príncipe, nem tentando explicar-se e discutir com ele.

À medida que o tempo passava, os momentos vazios pesavam cada vez mais nas suas mãos e na sua mente... e no seu coração.

Procurou conselho no Guia para Viver Feliz para Sempre.

Este dizia que era natural que uma pessoa, ao mudar de emprego, se sentisse ao mesmo tempo repleta e vazia. Sugeria substituir o seu antigo trabalho de se concentrar no príncipe por novas actividades que se centrassem nela.

A felicidade é uma escolha....

Mas a felicidade parece tão distante e inatingível...

« Uma vez a escolha feita, deve procurar, o melhor possível, ser feliz, mesmo que tenha de fingir até o conseguir.»

A maior parte das vezes tinha de se esforçar, fazendo bom usi da sua capacidade de sorrir por fora, enquanto chorava por dentro, repetindo para si própria:

« Finge até conseguires. Finge até conseguires. Finge até conseguires»

A princesa lembrou-se de permanecer calma. Sabia que não devia deixar-se arrastar para uma competição de discussão verbal que a deixara por alguns dias como se tivesse sido atropelada por um coche.

Ela sempre tivera dificuldade em aceitar a verdade.

Um dia o príncipe disse-lhe:

" Bem tenho novidades para ti. Não te suporto; portanto, que pensas disto, Princesa Menina Esquisita, Menina Maçadora... tu e os teus grandes sonhos. Não mereces viver feliz para sempre! Ouves? Não mereces! "

4 comentários:

Porque um dia me perdi... disse...

Mereces pois...Que ninguem te diga o contrario....

Lembraste do Shrek??...O Principe encantado nem sempre é encantador. Mil vezes um Shrek.

Beijo enorme

PS...Tb eu estou a fingir até conseguir :)

sandra disse...

Como eu me revejo nesta história da princesa...Mas também eu vou conseguir fingir até ser feliz novamente, azar do príncipe que não sabe dar valor à sua princesa, ou apenas o dará quando sentir que a perdeu de vez....

Jeanette Zork disse...

Porque um dia me perdi ...

Obrigada pela tua visita :)

Estamos a fingir hoje, mas amanhã estaremos a sorrir de verdade. Podemos encontrar Shrek's que adoram Fionas...ou seja princesas reais.

Volta Sempre

Zork Kissis****

Jeanette Zork disse...

Sandra;

É por saber que em muitas de nós ainda teimam em existir Princesas que acreditam em contos de fadas que transcrevo estes excertos. A fingir, a fingir, partilhamos esta dolorosa realidade.

Não podemos é continuar a perdermo-nos em ilusões e em esquemas mentais perniciosos, esperando que um dia eles se lembrem de nós e reconheçam o valor que temos.

Temos tudo para ser felizes e não sabemos.

Boas Divagações ;)

Zork Kissis****


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©